sexta-feira, 13 de abril de 2012

Ataques digitais desfazem mito de que Mac é inviolável



13/04/2012 |
Redação
Valor Online
Ascold Szymanskyj, da F-Secure: Número maior de computadores Mac é motivação para ataque de criminosos "Mac não pega vírus" - você pode não ser fã de tecnologia, mas é bem provável que já tenha ouvido essa frase em alguma conversa relacionada ao computador pessoal da Apple.
Os donos de Macintosh - ou Mac, como são conhecidos os micros da marca - nunca se preocuparam muito com os vírus que sempre atormentaram os usuários do Windows, sistema operacional da Microsoft e padrão dominante no setor. Mas esse sossego, ao contrário do que muita gente pensa, não se deve a nenhuma blindagem da Apple contra ameaças cibernéticas.
O Mac foi deixado em paz pelo simples fato de que sua base de usuários era tão pequena frente ao Windows que as gangues digitais não demonstravam interesse em criar códigos nocivos, como os vírus, para atingi-lo. Na semana passada, porém, o sinal vermelho tocou. Um vírus, batizado de FlashBack, infectou cerca de 670 mil Macs no mundo, sendo 2,3 mil deles no Brasil.
Variação de um código nocivo criado para o Windows, a praga foi considerada a primeira infecção maciça de computadores da Apple. Mas esse não é um episódio isolado. Cada vez mais, o Mac tem sido alvo de ataques. Só em 2011, o número de ameaças para essa plataforma aumentou 35%, segundo a companhia de antivírus Kaspersky.
O interesse dos hackers pelo Mac é resultado de uma série de fatores, que vai do aumento da base instalada de computadores Apple aos poucos cuidados tomados pelos usuários da marca, que não costumam usar antivírus ou adotar procedimentos básicos de segurança. "Os criminosos digitais seguem a lei de mercado. Se existem mais usuários, por que não atacar?", afirma Ascold Szymanskyj, vice-presidente de operações e vendas na América Latina da F-Secure , uma companhia de segurança digital.
O aumento das ameaças para Mac, segundo várias empresas de antivírus ouvidas pelo Valor, começou a ganhar força no fim de 2010. Uma característica da Apple, em particular, está atraindo a atenção dos hackers. Apesar de diferentes, o iOs, sistema operacional do iPhone e do iPad, e o Mac Os, do Macintosh, têm uma estrutura parecida, dizem os especialistas, o que facilita o trabalho dos criminosos. "Os núcleos dos dois sistemas contém de 80% a 90% de códigos idênticos. As funções e vulnerabilidades são praticamente as mesmas, o que facilita o desenvolvimento de ameaças comuns aos dois ambientes", diz José Matias, gerente de suporte técnico para a América Latina da McAfee. A lógica é simples: com o ganho de popularidade do iPhone e do iPad, os hackers enxergam vantagens em desenvolver um vírus que poderá ser adaptado facilmente para uso em outra categoria de produtos.
O próprio modelo de negócios da Apple acaba sendo um chamariz para os criminosos digitais. Os aplicativos disponíveis para usuários da marca ficam centralizados em serviços como a App Store, de programas para iPhone e iPad, e Mac App Store, de softwares para Mac. "Os hackers veem nesse ecossistema a possibilidade de infectar mais rapidamente um número maior de máquinas", afirma Matias, da McAfee.
Outro risco, avaliam os especialistas, é que a Apple não permite que empresas de software façam, diretamente, atualizações nos programas instalados nos computadores de seus usuários - ao contrário do que ocorre no caso do Windows. As modificações têm de ser autorizadas pela própria Apple. A questão é que, frequentemente, essas atualizações corrigem vulnerabilidades e fecham a porta para os hackers. Como a Apple leva mais tempo para autorizá-las, os usuários ficam expostos por um período maior.
De acordo com Fábio Assolini, gerente de softwares nocivos da Kaspersky, foi exatamente isso que ocorreu na onda de ataques na semana passada. A fabricante de softwares Oracle detectou uma vulnerabilidade na linguagem Java, usada para desenvolver páginas na internet, e passou a oferecer uma atualização que corrigia o problema. "A Apple fez essa atualização 49 dias depois de ela ter sido repassada pela Oracle", diz o analista.
Procurada pelo Valor, a Apple não quis comentar o assunto. Para piorar, os hackers têm apostado nos chamados ataques multiplataforma. Isso significa que os criminosos digitais já conseguem elaborar pragas que atingem diferentes sistemas operacionais. Já existem códigos nocivos extremamente elaborados, que conseguem verificar em tempo real se o alvo é um PC com Windows ou um Mac, explica Alberto Medeiros, especialista em segurança e ameaças cibernéticas da Trend Micro. "O que difere é apenas a forma de infecção, mas o processo para o hacker direcionar esse ataque a um determinado sistema é muito rápido. A mudança de código nesse estágio é mínima", afirma o especialista.


Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Cansei, poesia

Recital de Poesia e Microrrelato em Vigo, realizado  no Galo Vento. Cansei, é uma das poesias que recitei no evento. A poesia está publicad...