segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Jaques Morelenbaum se apresenta em Duque de Caxias

Jaques Morelenbaum e seu Cello Samba Trio

O instrumentista, arranjador, violoncelista, compositor e produtor musical, Jaques Morelenbaumreúne mais uma vez o seu Cello Samba Trio para mais uma série de shows em solo brasileiro. O trio também é formado por Lula Galvão, no violão, e Rafael Barata, na bateria.
O espetáculo é uma realização do Governo do Rio de Janeiro e da Secretaria de Estado de Cultura, com produção de 78 Produções e EDHEN Produções, dentro da programação da 5º edição do Circuito Estadual das Artes.
 Em 90 minutos, o samba ganha o sabor intimista da música de câmara, tendo o seu Cello como protagonista. O timbre doce do violoncelo e sua flexibilidade farão os públicos a relembrarem composições como “Eu Vim da Bahia” (Gilberto Gil), “Coração Vagabundo” (Caetano Veloso), “Retrato em Branco e Preto” (Tom Jobim e Chico Buarque), “Receita de Samba” (Jacob do Bandolim) e “Bim Bom” (João Gilberto).“Neste show, eu abraço o samba, ele é quem representa melhor a vasta diversidade cultural deste país. O repertório reúne as músicas mais queridas por nós, para as quais o tempo não passa”;diz Morelenbaum.

Sobre Jaques Morelenbaum
Nasceu no Rio de Janeiro e iniciou sua carreira musical como integrante do grupo A Barca do Sol. Participou como violoncelista e como arranjador musical de produções fonográficas de Antonio Carlos Jobim, Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Maria Bethania, Chico Buarque e Milton Nascimento, entre outros, totalizando até hoje atuações em mais de 600 álbuns. Em 1994, como integrante da Nova Banda de Antonio Carlos Jobim, participou do álbum “Antonio Brasileiro”, vencedor do Grammy. Em 2001 colaborou com o cantor e compositor Sting em seu álbum/DVD “Allthis time…”, gravado com uma banda internacional, ao vivo na Toscana, Itália. Neste mesmo ano foi agraciado com o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira, pela produção do álbum “Livro”, de Caetano Veloso.No cinema, compôs e produziu, com Caetano Veloso, as trilhas sonoras para “O Quatrilho”, de Fábio Barreto (1995), que concorreu ao Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, “Tieta do Agreste” (1996) e “Orfeu do Carnaval” (1999), ambos de Cacá Diegues. Compôs e produziu, com Antonio Pinto, a trilha do longa-metragem “Central do Brasil”, de Walter Moreira Salles, concorrente ao Oscar na categoria de melhor filme estrangeiro em 1999. Este trabalho recebeu o Prêmio Sharp de melhor trilha sonora para o cinema. Em 2001 participou do filme “Fale com Ela”, de Pedro Almodóvar, interpretando com Caetano Veloso a canção “Cucurucucu Paloma”, para a qual assinou o arranjo no álbum “Fina Estampa ao Vivo”. Em 2002, deu sequência à sua parceria com Fábio Barreto, compondo e produzindo a trilha sonora para “A paixão de Jacobina”. Em 2005, compôs para o filme “Paid”, do diretor holandês Laurence Lamers. Colaborou como violoncelista na gravação de trilhas de outros compositores, como nas de Leo Gandelman para os filmes “Moacir Arte Bruta“ e “Budapeste”, ambos de Walter Carvalho.


Praça do Pacificador s/n°, Centro
Ingressos: R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia)




Atividade paralela – Pós Espetáculo
Workshop/Bate Papo com Jaques Morelenbaum

Dia: 13 de novembro, às 19:00
Local: Teatro Municipal Raul Cortez (Duque de Caxias/RJ)
Classificação etária: LIVRE

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Temer transforma o Brasil num dos países mais infelizes do Mundo

Caiu um dos últimos mitos que restavam ao Brasil, o da felicidade. Pesquisa Gallup divulgado na última semana coloca o país como um dos ma...